LIBERDADE, IGUALDADE E PRONTO

Quem se considerar feliz…Liberdade individual, igualdade e pronto. Pelo viés da colaboradora Letícia Fontoura.

A+ A-

No dia 21 de junho deste ano, foi votada a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23/2007 pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).  A PEC prevê a inclusão da orientação sexual no rol dos direitos fundamentais previstos na Constituição. A proposta foi rejeitada com dois votos a favor e 39 contra.

Deputados como Samuel Malafaia (PR) se manifestaram fortemente contra a aprovação da PEC, assim como a ex atriz e hoje Deputada Estadual (PDT) Myriam Rios. A ex atriz, em seu pronunciamento de aproximadamente 12 minutos, equaliza os homossexuais aos pedófilos. Daí gerou burburinhos e só falava-se disso na internet.

É inaceitável que os homossexuais tenham que sofrer todas essas humilhações por lutarem por seus direitos, por respeito. Não é o que 39 dos 42 deputados da Alerj acham. “Como deputada, eu quero representar e defender as crianças inocentes, porque, se essa PEC passa, e um rapaz tem uma orientação sexual pedófilo e a orientação sexual dele é transar com meninos de três a quatro anos, nós não vamos poder fazer nada por causa dessa proposta” é uma das falas que exemplifica a cegueira religiosa da deputada e de sua falta total de informação sobre a homossexualidade. Pedofilia virou orientação sexual? Ah, não. Pedofilia, segundo a psicanálise, é uma perversão sexual e, para o Estatuto da Criança e do Adolescente, é crime.

Declarações preconceituosas e discriminatórias, como as da deputada, debocham do Movimento LGBT, porque é assim que podemos entender essas acusações infundadas e ignorantes acerca do que vem a ser a homossexualidade. O direito de ter relações afetivas entre pessoas do mesmo sexo, bem como demonstrações de afeto em público e, sim, amor, é implorado à sociedade conservadora-cristã-hegemônica.

Homossexualidade não é um vírus que vai se espalhando num movimento caótico, embora pessoas como o Deputado Federal (PP) Jair Bolsonaro acreditem que se deve parar de discutir a liberdade sexual, pois isso “incentivaria os jovens a entrar nesse mundo” como o deputado disse em entrevista. Não podemos escolher com quem vamos nos relacionar? É a sociedade conservadora quem decide? Tá, mas que será que a opinião pública diz sobre isso? Geralmente ela vai se manifestar através das redes sociais virtuais.

Existe uma página no twitter chamada Contra a PLC 122 (http://twitter.com/contra_plc122) que critica (de uma maneira pitoresca, pois os tweets não fazem sentido algum) o Projeto de Lei da Câmara (PLC) a qual visa criminalizar a discriminação motivada unicamente na orientação sexual ou na identidade de gênero da pessoa discriminada. O dono desse microblogue apoia absolutamente o discurso da deputada e envia à mesma mensagens de incentivo às barbáries ditas por ela. Em sua página oficial do twitter, a deputada postou: “quer ver como a turma da diversidade é ‘tolerante’? Diga que não concorda”, insinuando que os intolerantes são os defensores da liberdade individual de escolha . Uma semana após o episódio da votação da PEC, a deputada tentou redimir-se de qualquer suspeita de homofobia, afirmando que Deus era misericordioso e amava a todos.

Mulheres, homossexuais, deficientes físicos, trabalhadores, negros, todas as categorias que já sofreram e ainda sofrem discriminação ou desvalorização precisam interagir parar se fortalecerem. As minorias, juntas, são maioria. A palavra gay, em inglês, significa feliz. Quem se considerar feliz…Liberdade individual, igualdade e pronto.

LIBERDADE, IGUALDADE E PRONTO, pelo viés de Letícia Fontoura*

*Letícia Fontoura é acadêmica do 3º semestre de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone