A MELANCOLIA DE TRIER

Melancolia: Lars Von Trier talvez seja o mais relevante cineasta em atividade. Pelo viés do colaborador Renato Tardivo.

A+ A-

"Melancolia", de Lars Von Trier. Divulgação.

Cineasta relevante

Lars Von Trier talvez seja o mais relevante cineasta em atividade. Mas, certamente, não o é pelo fato de soltar declarações polêmicas aqui e ali.

Trier, o artista, se destaca pela qualidade de sua obra.

Em 1995, em companhia de Thomas Vinterberg, criou o Manifesto Dogma 95. Em linhas gerais, o intuito era a produção de um cinema menos comprometido com o capital  e que, portanto, abordaria de forma mais livre – e crua –  as mazelas humanas.

“Festa de família”, dirigido por Vinterber, e “Os idiotas”, por Trier, ambos de 1998, foram os primeiros frutos do manifesto.

Lars Von Trier viria a dirigir depois, entre outros, os indispensáveis “Dançando no escuro” (2000) e “Dogville” (2003).

Desde “Dogville”

É possível que, desde “Dogville”, o cineasta não tenha realizado um filme tão plasticamente belo e reflexivo quanto o recente “Melancolia” (2011).

Como de costume, a câmera lambe os corpos que enquadra; sucessivos cortes em um mesmo plano são bastante utilizados; o jogo com os elementos fora de campo, que rapidamente vêm e vão, focados e desfocados, tampouco dá trégua – a não ser na (primorosa) sequência de abertura.

A trama divide-se em duas partes. A primeira é dedicada à protagonista Justine – papel que rendeu a Kirsten Dunst a Palma de Ouro. A segunda, à Claire, irmã de Justine.

Na primeira parte, durante um casamento, o olhar de Trier vai fundo nas relações intersubjetivas. Em muitos aspectos, a metade inicial do filme dialoga com o já mencionado “Festa de família”, de Vinterber.

Na segunda parte, o palco se esvazia (porque vazio já estava) e as pequenas – porém agudas – explosões abrem literalmente espaço para o que pode ser a maior de todas elas.

Melancolia

Em “Luto e melancolia”, ensaio escrito em 1915 por Sigmund Freud, o psicanalista afirma que “a melancolia se caracteriza, em termos psíquicos, por um abatimento doloroso, uma cessação do interesse pelo mundo exterior, perda da capacidade de amar, inibição de toda atividade e diminuição da autoestima” (trad. Paulo César de Souza, Cia. das Letras).

O melancólico padece de uma perda, podemos dizer, desconhecida. Perda que, diferentemente do que ocorre no luto, não pode ser elaborada, isto é, curtida, curada. Daí a aura de enigma que a envolve.

"Melancolia", de Lars Von Trier. Divulgação

Daí, também, as analogias que se fazem entre a melancolia e o espaço, com suas galáxias e astros.

Há uma força, uma energia que não se sabe bem o que é (por mais que se tente defini-la pelos cânones da ciência) e que, imprevisível, pode irromper “do nada”.

O cinema, sobretudo o hollywoodiano, é pródigo em explorar essa aura – ao mesmo tempo encantadora e aterrorizante – que paira sobre o espaço sideral.

Trier, contudo, muito embora trabalhe com o encanto e o terror – não seriam atributos precisos para descrever Justine? –, o faz em sentido inverso.

Planeta, olho, câmera

O imenso planeta Melancholia, que observa (e ameaça) o pequeno grupo de personagens na segunda parte, poderia ser os olhos de Justine. Ou o olho da câmera. Ou ainda, quem sabe, trata-se de diferentes feições de uma coisa mesma.

E é por isso que, se Trier aborda a temática de explosões espaciais, ele o faz, como disse, em sentido inverso do que, por exemplo, um Spielberg.

Os mocinhos (ou mocinhas) de Lars Von Trier são aqueles que a sociedade mastiga e descarta. Para utilizar uma expressão conhecida, seus mocinhos são anti-heróis (não custa lembrar mais uma vez de “Dogville”).

Nessa medida, retomando a analogia entre o planeta Melancholia e o olho (ou a câmera), o enigma que interessa a Trier não é aquele que a lente de Hollywood amortece e digere num bolo alimentar de pipoca com manteiga e refrigerante.

Seu cinema não é divertido. Talvez sequer entretenha. A aposta não se foca (literalmente) em explosões (ilusórias) impossíveis. O que se vê, através da engenhoca criada pela criança, são os próprios olhos. A explosão é violentamente possível. Concreta.

Mas, com o toque de alguns gênios – o próprio Trier, atriz e personagem principais e, por que não?, a infância – ela pode nos levar até onde o pensamento jamais penetrou. Cure-se quem puder.

"Melancolia", de Lars Von Trier. Foto: Christian Geisnaes/Divulgação.

A MELANCOLIA DE TRIER, pelo viés do colaborador Renato Tardivo*.

*Renato é Escritor e psicanalista. Mestre e doutorando em Psicologia Social da Arte (IP-USP); autor do livro de contos Do avesso (Com-Arte) e de Porvir que vem antes de tudo – literatura e cinema em Lavoura arcaica (Ateliê/Fapesp). E-mail: rctardivo@uol.com.br

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone
  • http://progcomdoisneuronios.blogspot.com byClaudioCHS

    Tratado sobre o suicídio
    Decididamente: eu não admiro os enforcados.
    Estar ali, pendurado
    instalação surreal
    arte macabra, inusitada
    lentos movimentos
    cronometrando o tempo
    emulando pêndulos
    que não estimulam o gênio
    de Galileus ou Galileis.
    Afora o trabalho que dá
    muitos elementos a considerar
    precisa-se de uma corda
    um banquinho bem alto
    uma viga para amarrar a corda.
    Massa corpórea
    vezes altura do banquinho
    vezes comprimento da corda
    vezes pressão atmosférica
    vezes força da gravidade
    vezes alinhamento de Marte com Saturno
    vezes cotação do dólar:
    haverá na física uma fórmula
    que possa livrar o suicida
    da tortura do último cálculo?
    Não, essa forma não me cabe
    imagino o desconforto
    não gosto que nada aperte-me o pescoço
    afrouxo a gravata nos dias ensolarados.
    Um tiro na cabeça é outra forma de despedir-se
    os neurônios remanescentes nem tem tempo de reagir
    mas… descarto…
    meu ouvido é sensível
    não quero levar para o além o cheiro da pólvora
    nem o eco do estampido
    do último tiro
    disparado próximo ao ouvido.
    Outros preferem saltar de edifícios
    executam evoluções aéreas até que mergulham em lagos de granito
    A turba está agitada,
    não é todo dia que se assiste um suicídio
    A área é isolada,
    alguém empunha uma faixa
    “Por favor, não pule !”
    Chegam a imprensa, os bombeiros, o celular com a voz de um amigo
    A multidão quase não pisca ou respira
    Oh, meu Deus! Tomara que não pule! Ele não pode pular!
    Mas lá no fundo, bem no fundo, torcem pelo pior,
    para que possam chegar em casa e anunciar em primeira mão:
    “Eu estava lá, eu vi, foi horrível ! …”
    Eu gostaria de frustrar essa gente que não torce por nós
    que põe holofotes sobre nossas tragédias
    que assentam-se em arquibancadas
    e assistem nossa vida como se ela fosse um picadeiro de circo.
    Eu iria lá no fundo do prédio,
    onde ninguém estivesse olhando e,
    sem nenhum sinal ou aviso,
    pularia e diria bem baixinho: good bye.
    Mas … não … não faria isso…
    poderia cair sobre um passante, um transeunte.
    E… se jogar na frente de um carro?
    Não, também não, muito deselegante
    estragaria a lataria do carro alheio
    e não ficaria por aqui para pagar o conserto…
    há de considerar-se, ainda,
    que o atropelado não pode ser tocado
    até chegar a perícia
    torna-se um morto inconsequente
    ao causar um dos maiores suplícios das grandes metrópoles:
    tráfego – de – veículos – interrompido.
    Não concordo com isso ou aquilo
    A morte deve causar o mínimo de consequências possíveis
    para aqueles que não tem nada a ver com isso
    não pode atrapalhar o trânsito de veículos ou destinos.
    E… queimar-se?
    Sem chance, só se o cérebro morresse primeiro.
    lanço a polêmica: incinerar-se não é suicídio, é auto-punição
    o corpo arde enquanto o cérebro
    fica protegido, blindado,
    dentro da caixa craniana
    cada segundo é eterno
    e a mente consciente espera
    uma morte tão lenta que parece que nunca chega…
    Então… afogamento? Sufocamento? Tipo, morte por asfixia?
    Nem pensar, já tô ficando com falta de ar…
    Todas as formas são horríveis
    tudo causa angustia, dor, sofrimento…
    Ah… quem dera…
    morrer sem sofrer
    morrer sem sentir dor
    morrer uma morte suave
    morrer com beleza, com poesia…
    como estar assim,
    sentado sobre o piso de azulejos
    a água quente caindo do chuveiro
    uma névoa branca de vapor
    perfumada, por misturar-se ao cheiro
    de sabonetes e xampoos
    e um líquido vermelho, viscoso, jorrando
    do corte profundo no pulso
    diluindo-se na espuma branca
    e criando belos degrades
    que vão do vermelho sangue ao rosa-bebê
    esvaindo-se pelo ralo junto com a água, junto com a vida
    e essa dormência, e esse torpor, e essa tontura…
    e essa deliciosa… vontade… de dormir…

    byClaudioCHS – http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

    .