LUZES NA PRAÇA, ESCURIDÃO NOS BAIRROS

Parece no mínimo contraditório que, enquanto é negada mínima condição de vida aos moradores de alguns bairros de Santa Maria, Cezar Schirmer se preocupe com o lazer de uma parcela de habitantes de apenas um deles. Pelo viés de Liana Coll.

A+ A-

No final de novembro, a população de Santa Maria assistiu a parte da programação de Natal da cidade. No sítio da Prefeitura, as notícias declaravam os enfeites e programações natalinas como parte de um Natal “ecológico, sustentável e inclusivo”. Mas enquanto 178 mil micro lâmpadas eram acesas em torno das árvores da praça Saldanha Marinho, nos arredores do centro comercial santa-mariense, muitos bairros da cidade continuavam improvisando seus “gatos” para terem acesso à energia elétrica.

A redação da revista o Viés, em diferentes matérias, tem tratado da questão da falta de estrutura básica de determinadas regiões da cidade, que foram acometidas por inúmeras promessas em campanhas eleitorais ou mesmo durante o mandato do atual prefeito. Elas, bombardeadas durante os discursos e panfletagens, e esquecidas após os dias de votação, acabam sofrendo em detrimento dos sucessivos investimentos que a administração da cidade realiza em torno do centro.

Mas o centro não é uma ilha, apesar de ser a parte mais visível para turistas e passantes, ou mesmo para a população flutuante de Santa Maria, que geralmente é aquela que desfruta das áreas de lazer e de comércio centrais. Entretanto, os moradores santa-marienses de outras áreas do município não se encantam em comer promessas, já diria Eduardo Galeano. Eles são, na verdade, os votantes de maior peso da cidade, já que, no centro, especificamente, está concentrada a maioria dos estudantes que vêm de outras cidades e que raramente transfere seus votos para cá. Estes, em grande parte dos casos, estão de passagem. Aqueles, por outra via, deveriam, assim, ocupar um papel importante no atendimento de suas demandas. Mas não é o que se tem observado.

Na Vila Brenner, os fios dos "gatos", expostos, em contato com o material metálico das "casas" contêineres e a água da chuva, oferecem risco aos moradores. Fotografia: Rafael Balbueno.

Em matéria recente sobre a ocupação da Gare (veja ÁREA NOBRE NÃO É LOCAL DE OCUPAÇÃO e POR TRÁS DA GARE), descobrimos que, em campanha para as eleições de 2008, o atual prefeito Cezar Schirmer e sua esposa, a primeira dama Fátima Schirmer, estiveram na área, dizendo que seria muito fácil regularizar a ocupação e iniciar os investimentos necessários para garantir condições dignas de vida às, aproximadamente, 140 famílias que vivem hoje lá. Existem fotos e uma gravação da promessa. Entretanto, chegando ao final da gestão Schirmer na cidade, nada foi feito. Pelo contrário, as autoridades municipais afirmam saber que os moradores recorrem aos famosos “gatos” para obter energia elétrica. Não fazendo nada, incentivam os moradores a se arriscar no improviso de postes e no emaranhado de fios que se torna a solução para poderam tomar o banho quente no inverno e para manter os alimentos sadios, por exemplo. Hoje, o projeto da prefeitura para a área da Gare, onde reside essa mais de uma centena de famílias, é de tranformá-la em um parque turístico. É área nobre, dizem eles, como se fosse justificativa.

Em matérias sobre as casas contêineres da Vila Brenner (veja ATÉ QUANDO ESPERAR? ,”CASAS” CONTÊINERES: UM NOVO CAPÍTULO e ILHADOS), que foram colocadas na área em caráter provisório para abrigar famílias que haviam perdido suas moradias em enchente, viu-se que o temporário tornou-se fixo. As famílias, nas casas de metal, enfrentam a variação de temperatura ocasionada pelo material da habitação. Torram no verão e congelam no inverno. E, além disso, também não possuem acesso à energia elétrica. Os “gatos” também são a solução. Entretanto, há um agravante nessa história: os fios improvisados, em contato com o material metálico das casas, conduzem a eletricidade de forma perigosa e expõem as famílias a grandes riscos, principalmente quando chove. A Prefeitura declarou oficialmente que cada casa contêiner seria substituída por uma de padrão PAC em 2010. Mas até hoje, adivinhem? Nada. Com documentos nas mãos, a única coisa que resta aos moradores é ler os acordos e promessas descumpridas em tom de ironia.

No dia de hoje, cinco de dezembro de 2011, o telespectador de Santa Maria ainda pôde assistir, no Jornal do Almoço local, a uma reportagem que parabenizava a Prefeitura pela decoração natalina. Nas imagens, famílias passeavam felizes, observando as luzes e comentando como haviam embelezado a cidade as piscadelas fosforescentes em torno das árvores e ruas do centro. Mas parece no mínimo contraditório que, enquanto é negada mínima condição de vida aos moradores de alguns bairros de Santa Maria, Cezar Schirmer se preocupe com o lazer de apenas uma parcela de habitantes. É triste, mas parece que a única coisa que o prefeito pôde oferecer à população no final de seu mandato foram anjos, guirlandas e luzes simbólicas (parece até deboche) negadas à população que outrora cobriu de promessas. Ao senhor prefeito e administradores, creio que a população gostaria de lembrá-los de que esperança não deve ser somente estimulada em época de Natal e que ela não se reduz a símbolos e colírios visuais aos olhos. E que, quando se faz esperar, a coerência manda que alguma atitude concreta  deve estar por vir.

Cezar Schirmer, na ocupação da gare em época de campanha eleitoral, quando afirmou aos moradores que iria regularizar a situação da ocupação, dá "tchauzinho" aos possíveis eleitores. Fotografia: anônimo

LUZES NA PRAÇA, ESCURIDÃO NOS BAIRROS, pelo viés de Liana Coll.

lianacoll@revistaovies.com

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone
  • Lorena

    Transformaram “seres humanos” em massa de projeção política,muito triste viver esse início de século em que cada vez se banaliza mais a vida.Políticos podres,manipuladores e de um desrespeito total ao povo,seus eleitores!Meus pêsames prefeito,tu é só mais um “deles”….

  • http://poesiaputana.blogspot.com/ Demetrio

    O Viés: jornalismo a contrapelo.

    Muito bom texto, Liana. :)

    Abraço.

  • Ramiro Santos

    Como matéria denuncista, muito boa. O problema é que fica evidente que o conteúdo tem viés político-partidário. Daria uma ótima assessora de imprensa para o PT.

  • Lori

    Liana, parabéns pelo texto, ressalto que o teu ponto de vista vale para todos âmbitos do verdadeiro sentido do Natal, enquanto uma criança pede ao Papai Noel, “apenas”, feijão, arroz e batatinha, o glamour que se excede nas luzes para as compras de Natal, como vc mencionou, se resume ao consumismo de uma minoria que passa por aqui, ou seja, quem elegeu, que acreditou numa política mais justa e minimamente digna fica à mercê, ou seja, só na esperança.
    Abraço e parabéns, precisamos de profissionais com tua atitude para, pelo menos, não ficar quieto diante dessas “aberrações.”

  • http://www.catherinedejupiter.wordpress.com Júlia Schnorr

    Olá, gostei de vários pontos levantados. Excelente! Mas acho que a iluminação no centro não serve só a uma parcela da população. Ela encanta diversas pessoas, quem sabe até mesmo quem tem dificuldades em suas residências ou comunidades. Que tenha lazer, esse tsunami de pets coloridos e luzes que enfeitam nossa praça, mas que também sejam solucionadas as questões pendentes das populações – como vila brenner, casas de lata. Aliás, prefeitura não se pronuncia sobre isso, né? Se cala e cala.

  • http://www.catherinedejupiter.wordpress.com Júlia Schnorr

    Reduzir a análise ao mundo político-partidário é triste.

    Muito bom, Liana. Revista o Viés sempre abrindo perspectivas!

  • Jonas Ferrigolo Melo

    Concordo com o que disse Ramiro Santos no comentário logo acima e complemento dizendo que esses morados que estão sem luz não está lá desde o início do governo atual, e sim muito antes do inicio do governo de Valdeci. Ou seja, está demorando sim, mas temos orgulho de morar numa cidade que está evoluindo para o desenvolvimento. Aliás, justamente para essas pessoas de baixa renda que o turismo da cidade deve se desenvolver, afinal vai trazer mais público e consequentemente a cidade necessitará de mais trabalhadores e consequentemente menos desemprego resultará. Cada a nós, como cidadãos ver os prós e os contras, não apenas o lado que nos satisfaz. Tenha mente aberta e veja além de um partido. Veja com olhos cidadão inteligente que és.

  • http://www.catherinedejupiter.wordpress.com Júlia Schnorr

    Enquanto o sol se põe nesta boca do monte eu me pergunto até quando a lógica desenvolvimentista vai ressoar nos megafones eleitorais. Não seria melhor falarmos em justiça social? Caro Jonas, você crê que é através do hipotético emprego que essas pessoas irão conseguir colocar luz em suas casas? Além disso, será através dele que terão novas casas – no caso deixar de morar em casas de lata? Não seja ingênuo. Somente com a mão do governo municipal isso ocorrerá! Tenha a mente aberta, caro Jonas (que nome lindo!). Veja além do desenvolvimentismo (para poucos). Veja através da justiça social! Eu coloco a palavra cidadania no lixo quando ela não quer dizer nada além de demagogia.

    • Jonas Ferrigolo Melo

      E será que estas pessoas terrão luz em suas casas e deixarão de morar em casas de lata sem ter um emprego? Sem ter uma cidade que possibilite empregos? Será mesmo que o governo tem que DAR casa, comida e roupa lavada para população pobre? Será? Eu acredito que cidadania social está muito além de DAR as coisas. O papel dos governos é possibilitar que as pessoas busquem e lutem para terem suas coisas e não dar “de mão beijada”. Essas luzes trarão muito mais do que simplesmente turismo, a cidade começa a ser vista em outros estados por “gente grande” (empresas grandes) que trarão mais desenvolvimento para região. Verão que Santa Maria não é apenas mais uma cidade, e sim uma cidade conhecida e destacada no cenário nacional. Um exemplo disse está próximo de nós: Gramado (uma cidade beeem menor que SM e com o faturante anual e salário per capito 3x o de SM. Se você acompanha jornais além dos de Santa Maria, verás que a cidade é citada em diversos destes como uma cidade melhor (O globo, Folha de SP, por exemplo). Além do mais, as luzes estão no centro da cidade, mas não apenas para quem mora lá, e sim para toda população.