CESARE NÃO VIRÁ A CAXIAS DO SUL

As manifestações contrárias a presença de Cesare Battisti em Caxias do Sul cancelaram a sua vinda à cidade da serra gaúcha.

A+ A-
Cesare Battisti não virá mais a Caxias do Sul. Foto da internet.

Cesare Battisti não virá mais a Caxias do Sul. Foto da internet.

Cesare Battisti, o italiano mais anunciado nos telejornais dos últimos tempos, viria a Caxias do Sul, cidade da serra gaúcha, para autografar seus dois últimos livros em uma livraria local. Cesare não vem mais. Sua rota pelo estado gaúcho quedará para outros lados, talvez permaneça em Porto Alegre (capital), mas agora está passando longe do maior munícipio da serra.

Ao lado de Caxias, outros tantos municípios menores (Caxias possui extensa estrutura, podendo ser colocada como a terceira maior cidade gaúcha) formam o conjunto da serra local. O ambiente é aquele dos turistas: serra, vinho, colonos provenientes da imigração italiana, festivais da uva, do queijo, das malhas de inverno. Todo ano, milhares de turistas cercam a serra gaúcha na esperança de ver (fotografar, principalmente) um floco de neve. E todo o ano os noticiários locais fazem previsões “mãedinásisticas” na esperança de que a neve dê um sinal. O alerta para a caída de neve é aguardado e alardeado, para que os turistas venham e para que os habitantes programem alguma forma de aquecimento, ou de controle sobre a produção.O cenário é este. Apesar de se considerar a Itália brasileira, a serra gaúcha ainda mantém mais é o peso da colonização local, cercada de peculiaridades da própria região. O mito do colono trabalhador, fundador da região mais próspera do estado, rende inúmeros frutos.  O maior deles é a imagem de intocável região do progresso. A sua população, em contrapartida, tem fama de ser muito fechada.  Ao contrário do sangue quente dos italianos que invadiram os sindicatos paulistas, tomando o anarcosindicalismo como forma de vida, os daqui da región permanecem com ideias bastante conservadores. O comunismo de Cesare Battisti e, principalmente, os dois assassinatos na década de setenta, dos quais o italiano é acusado de ser o autor, mancham a sua reputação em diversas localidades – mundo afora, e não apenas por aqui.

A espécie de asilo político que os governos de Lula, no Brasil, e Tarso Genro, no estado, concederam a Cesare é motivo de controvérsias gerais. Não há consenso. Porém, apesar de todas as divergências políticas com relação a Battisti, a grande maioria (senão a totalidade) dos munícipios que o receberiam, o receberam. De braços abertos, ou não, mas o receberam. Em Caxias do Sul, a livraria que sediaria a sua presença na sessão de autógrafos de Ao Pé do Muro e Ser Bambu (seus dois últimos livros) não teve outra escolha senão cancelar a vinda. A própria, em carta assinada, diz que é papel dela, como livraria, promover a cultura – considerando que o fato de ter de cancelar a vinda de Battisti uma ofensa à democracia.

Não sejamos simplistas de caracterizar toda a população de Caxias do Sul, e região, como o  saco de gatos daqueles que não desejaram a vinda de Battisti. Como o italiano bem sabe, sua vinda provoca alvoroço, em qualquer circunstância e em qualquer população. Em Caxias, as manifestações foram as mais diversas: os entusiastas, aguardando sua vinda, esbravejando pela total falta de democracia no cancelamento de sua visita; os inconformados com sua vinda, prevendo o avanço do comunismo/radicalismo total com uma permissividade desse tamanho; aqueles que, mesmo não desejando sua presença, souberam honrar o lema liberal da “democracia”, sugerindo que Battisti viesse – e quem não quisesse, que apenas não fosse.  Porém, as manifestações que preocuparam a livraria foram exatamente aquelas que, alardeando ser Battisti um assassino, repudiaram com veemência tanto o estabelecimento quanto as atividades culturais da cidade que tivessem a intenção de trazer um terrorista para qualquer programação.

Foram cartas para o jornal local mais lido da cidade. Foram manifestações pela internet. Foram, muito provavelmente, os inúmeros telefonemas, e-mails, cartinhas, mensagens, recados mandados à livraria. Todos esses aspectos, todas essas manifestações, foram o estopim para o cancelamento. Battisti, comentando o fato, disse que, pior mesmo, era para Caxias. Para o italiano, era mais importante que a cidade o recebesse do que o censurasse. Com a confirmação do cancelamento da vinda de Battisti, outras mais opiniões foram emitidas – repudiando a falta de democracia, a censura e a castração de sua vinda.

Não haverá consenso. E se Battisti tivesse vindo, também não haveria. Parte disso é fruto de um pensamento geral de caça às bruxas. Impressiona que, para os militantes de esquerda, tenham ou não cometido crimes (até mesmo a palavra crime, podendo ser repensada em casos e situações de sítio, como foram as ditaduras dos anos setenta), a condenação é direta. Enquanto estamos por aí, assistindo esse tipo de circo, militares, agentes diretos, peixes grandes da ditadura militar (no Brasil, na América Latina e no mundo), continuam a viver suas vidas, muitas vezes de forma bastante pacata, sentados nas privadas de seus banheiros, com a boca cheia de dentes, esperando vocês sabem bem o quê. E a vida segue. Como se as maiores barbaridades cometidas no mundo, no Brasil, não tivessem sido todas varridas para debaixo do tapete com maestria pelos torturadores oficiais. Até mesmo ações como as de comissões para a verdade, de abertura dos documentos da ditadura militar, estão caminhando a passos lentos, muitas vezes seguidas pelos olhos atentos de grandes marajás brasileiros, financiadores das ditaduras das quais (sobre)vivemos. Quantos militares (ditadores) foram barrados de livrarias, de cafés, de exposições, de museus? Seus nomes seguem estampando as nossas ruas principais, nossos colégios – nossa história, toda manchada pelos crimes que estes cometeram. Quantas manifestações, quantos escrachos? A população que se nega a receber Battisti teria se negado a receber algum coronel impune? Quero ver alguém apoiar os escrachos promovidos em frente às residências de antigos (antigos nada, que uma vez é motivo para continuar sendo) torturados da época das ditaduras. Ah, escracho não pode, invade a residência privada, não é?

Isso que nem entramos nas questões legais de Battisti: se ele teria ou não cometido os crimes; se seus crimes teriam sido ou não políticos; se a conjuntura, de militante do grupo de esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), influenciaria na questão; se a Lei de Anistia do Brasil não prevê outros mais refugiados que nem sequer são comentados em jornais. Battisti é um bode expiatório para inúmeras conspirações. Atacar a sua vinda é, como o próprio italiano disse, voltar à Idade Média. Pois os mesmos paladinos da democracia, contrários aos grupos de esquerda que organizaram guerrilhas, são aqueles que não querem “sujar seu chão” com a presença, reconhecida pelo governo brasileiro, de Cesare Battisti. O ódio focalizado em um indivíduo, que nega os crimes dos quais é acusado, não contribui para a racionalização da questão. Proibir sua vinda só demonstra a imensa ignorância que temos do fato, como um todo, mediocremente baseado em lados que desconsideram as falas dos advogados de Battisti, o contexto maior, ou mesmo uma abertura aos lados diversos – mas uma abertura verdadeira. Como aconteceu em outras cidades, provavelmente, Battisti seria interrogado por alguns presentes. Muitos não saíram de uma sessão de autógrafos com livros seus, nem mesmo convencidos de sua autoria (ou não) dos crimes que é acusado. Mas, existiria um espaço para Battisti, para os que querem lhe ouvir.  Mas, não mais saberemos, já que Cesare Battisti não virá a Caxias do Sul.

Leia também O Crime de Cesare Battisti.

*Informações da imprensa local de Caxias do Sul e do portal Sul 21 confirmam que Cesare, apesar dos pesares, esteve na cidade, autografando seus livros. Não veio mais como convidado da livraria, e nem fez a sessão de autógrafos. Veio a convite de um pequeno grupo de caxienses que, mobilizado, garantiu sua visita. Leia mais clicando aqui.

CESARE NÃO VIRÁ A CAXIAS DO SUL, pelo viés de Nathália Costa.

nathaliacosta@revistaovies.com

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone
  • Silvana

    Muito bom, Nathália! Parabéns pelo texto.

  • revistaovies

    Obrigada Silvana!