BALADA DAS DUAS MOCINHAS DE BOTAFOGO

ESTANTE: E por toda parte o sangue de Marília e de Marina. Pelo viés de Bibiano Girard

A+ A-

Balada das duas mocinhas de Botafogo, de Fernando Valle e Joao Caetano Feyer

Eram duas menininhas
Filhas de boa família:
Uma chamada Marina
A outra chamada Marília.
Os dezoito da primeira
Eram brejeiros e finos
Os vinte da irmã cabiam
Numa mulher pequenina.

O curta-metragem “Balada das duas mocinhas de Botafogo”, baseado no poema homônimo de Vincius de Moraes, consegue ser tão aflituoso e esteticamente macambúzio quanto a arte literária de um dos maiores poetas do Brasil.

Liricamente encaixadas as cenas com a voz estrondosa de Edu Lobo, o filme narra, através do poema, a história de duas irmãs cariocas que buscam no álcool e no sexo a parte que lhes falta na vida. O pai que saiu de casa e uma mãe asmática vivendo em um casarão decadente no bairro do Botafogo dão o timbre para as ações deprimidas das duas. O olhar abatido de Guta Stresser e o rosto pálido de Fernanda Boechat carregam o espectador para dentro daquele mundo escuro, para o fim da história que, mesmo que o poema já nos mostre, foi repassado para a linguagem visual com maestria. Vale assistir o curta-metragem e adentrar na vida de “tempos mais bem vividos” de três personagens principais alagadas na pobreza da alma.

A mãe decadente vivida por Malu Valle.

Foi só um grito e o ruído
Da freada sobre os trilhos
E por toda parte o sangue
De Marília e de Marina.

É a internet trazendo ao público duas obras esplêndidas em um só material. O filme está disponível no sítio Porta Curtas Petrobrás. Clique aqui e assista.

BALADA DAS DUAS MOCINHAS DE BOTAFOGO, pelo viés de Bibiano Girard

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone