MALARIOTERAPIA NO SÃO PEDRO

Na história da Psiquiatria, assim como nas outras especialidades da medicina, uma intervenção terapêutica é considerada médica quando tem a competência de relacionar o método a uma moléstia, obtendo-se, consequentemente, a cura do quadro exposto ou a amenização dos sintomas. Neste processo, surgiram as “piretoterapias”, que consistem em provocar de alguma forma o aumento da […]

A+ A-

Na história da Psiquiatria, assim como nas outras especialidades da medicina, uma intervenção terapêutica é considerada médica quando tem a competência de relacionar o método a uma moléstia, obtendo-se, consequentemente, a cura do quadro exposto ou a amenização dos sintomas. Neste processo, surgiram as “piretoterapias”, que consistem em provocar de alguma forma o aumento da temperatura corporal. Na ineficiência de tratamentos para os transtornos causados pela Sífilis, o austríaco Julius Wagner-Jauregg percebeu, empiricamente, que violentas crises febris amenizavam o quadro de transtorno mental dos enfermos. Implantada no São Pedro dois anos depois de Julius receber o Nobel de 1927, a Malarioterapia, inoculação do “Plasmodium vivax”, hematozoário causador da malária para se obter febre, tornou-se tratamento orientado pelo Diretor Doutor Jachinto Godoy no São Pedro. Jauregg ganhou uma placa honrosa no saguão de entrada.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone