UM HECTARE E TRINTA E DOIS METROS QUADRADOS

“Eu sou de Pinhalzinho, Santa Catarina. Faz uns 31 ou 32 anos que eu já estou aqui. Viemos eu e a mulher. Na verdade, vim para trabalhar de peão em lavoura de arroz. Trabalhei até conseguir comprar esse pedacinho de terra. Faz 17 anos que começamos essa horta. É um hectare só, mas dá para […]

A+ A-

“Eu sou de Pinhalzinho, Santa Catarina. Faz uns 31 ou 32 anos que eu já estou aqui. Viemos eu e a mulher. Na verdade, vim para trabalhar de peão em lavoura de arroz. Trabalhei até conseguir comprar esse pedacinho de terra. Faz 17 anos que começamos essa horta. É um hectare só, mas dá para plantar tudo isso. É um hectare e trinta e dois metros quadrados. Vai do canto da casa até ali o fundo, faz aquela voltinha ali e termina aqui. Começamos com uma estufa apenas, eu e os guris. A partir daí fomos fazendo outras e foi aumentando”.

Quem nos conta como chegou para trabalhar, há 31 ou 32 anos atrás, é Nevil Simon, pequeno agricultor nascido catarinense e atualmente morador de Rosário do Sul, na Região da Campanha do Rio Grande do Sul.

Nevil é um senhor de sorriso na boca e olhos venturosos. Conta sua história e mostra a residência onde vive com a esposa apontando e mostrando suas novas obras na grande horta que mantém. A casa fica na beira de uma rodovia que liga o Brasil ao Uruguai.  Dona Maria Salete e Nevil têm dois filhos, Juarez e Adílio. O último está plantando no mesmo sistema do pai há alguns quilômetros, numa chácara que ostenta o verde de uma grande horta numa colina elevada. Juarez, o filho mais novo, segue com o pai e a mãe na casa onde tudo começou.

Quem começou, na verdade, com a primeira estufa, há 17 anos, foram os filhos do casal. Nevil ainda trabalhava nas lavouras de arroz como peão e, depois, largou o serviço de empregado para tocar as estufas próprias no terreno da família.

A chácara de Seu Nevil fica afastada geograficamente do centro da cidade, mas abastece o principal mercado de frutas e verduras local. São 30 mil pés plantados e estufas de grande, médio e pequeno porte que descem uma pequena colina na estrada BR 158, na direção de Santana do Livramento. O rosariense pode até não saber onde fica, nem conhecer quem planta todos esses pés de verduras, mas com certeza um dia comeu desta grande horta.

Vendendo para as feiras do centro da cidade e diretamente com o público que transita na estrada, Nevil se mostra contra qualquer tipo de agrotóxico. Planta sob estufas de vários modelos, uma para cada tipo de estação. Há a mais propícia para o verão e outra para o inverno. Nelas, estão plantadas pés de alface, cebola, outras verduras e agora, morango.

Trazidas as mudas da EMATER de Bagé, os pés de morango brotam verdes e saudáveis pela terra tratada apenas com adubo orgânico. Juarez dirige um pequeno trator pelas redondezas atrás do insumo orgânico que será distribuído pelas terras da chácara. Os pés de alface brotam por todos os lados, alguns grandes, prontos para serem colhidos, outros apresentando as primeiras folhas. Nevil explica que todos os dias colhe uma média de trinta e cinco dúzias para abastecer o mercado rosariense, fora as que são vendidas diretamente com o cliente que estaciona o carro em frente a sua casa. Quando uma alface é retirada da terra outra já toma o seu lugar e assim sucessivamente.   O número plantado permanece constante, próximos aos 30 mil pés que o hectare de Seu Nevil permite.

O que se nota nas estufas que tomam o espaço de um hectare e trinta e dois metros quadrados, como frisa, é o trabalho bem feito e o cuidado com tudo, desde os ferros que dão forma às estufas até a terra, nivelada, sem qualquer tipo de fungo e vegetação que não seja verdura.

Nevil chegou em Rosário em 1978 e não saiu mais. Na época, parentes o fizeram uma proposta de conhecer a nova fronteira agrícola que se formava no Centro-Oeste do país. Viajou e até gostou do que viu no cerrado, mas não foi o bastante para fazer ficar. Quando foi visitar um tio em São Gabriel, cidade vizinha a Rosário do Sul, surgiu a proposta de trabalhar pelas redondezas. Das lavouras, como empregado, para o próprio negócio e sustento na terra. Era o início do que é hoje. Uma estufa apenas e muito trabalho.

Pela tarde, enquanto o céu se preparava para chover, ouvia-se longe o barulho de um motor. Surge, atrás de um aglomerado de árvores, o pequeno trator carregado. Juarez dirigindo e um funcionário ao lado dando as coordenadas. Estacionado o trator, com pás os dois descarregavam o adubo sobre onde erguer-se-ia uma nova estufa.

O caso de Nevil e o filho nunca usarem agrotóxicos já causou situações divertidas. A última foi a derrubada de uma parreira. Mesmo produtiva, hás dois anos as uvas vinham apresentando um fungo que estragava as frutas. Quando Nevil procurou maneiras de tratar tal fungo, descobriu que o remédio mais usado era agrotóxico. “Quando soube que teria que por agrotóxico nas uvas, decidi então cortar a parreira”.

Outra situação adventícia foi a vez que sem saber Nevil teve sua horta estudada e pesquisada por técnicos de Santa Maria. “Um dia, veio um senhor e pediu três quilos de tomate. Perguntou-me se ele mesmo poderia retirar os tomates da horta e eu liberei, claro. Na saída, fomos pesar e tinha seis quilos. Tudo bem, acabou levando. Uns quinze dias depois, me aparece de volta com um certificado de comprovação que meus tomates eram livres de qualquer tipo de agrotóxico. Para mim, foi bom, né?”, diverte-se o agricultor sorrindo.

A fama dos produtos de Seu Nevil e dos filhos segue por toda a cidade. Interessante que, para a região da Campanha, de extensas fazendas às vezes improdutivas, com um hectare e trinta e dois metros quadrados Nevil mostra como é possível fazer a terra render. O agricultor salienta também que se seus produtos não são tão bonitos como os outros, é o sabor e a certeza de limpeza que ganham o consumidor. “Imagina uma mãe que quer alimentar uma criança. Com um morango desses, ela fica bem mais tranquila”.

UM HECTARE E TRINTA E DOIS METROS QUADRADOS, pelo viés de Bibiano Girard

bibianogirard@revistaovies.com

Para ler mais reportagens acesse nosso Acervo.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone
  • Denis Freitas

    fiquei muito feliz por ver mais uma pessoa conseguido buscar seus ideais e que Deus possa esta le abençoando sempre fique com Deus e um abração.