AS (MAIS QUE) RUÍNAS DE QUILMES

“Cortaron el árbol al ras del suelo, pero se olvidaron de sacar la raiz! y es la que está resurgiendo con mucha fuerza.” (Cortaram a árvore no nível do solo, mas se esqueceram de cortar a raiz! E eis que ela está ressurgindo com muita força). Saindo da capital da província de Tucumán, na Argentina, […]

A+ A-

“Cortaron el árbol al ras del suelo, pero se olvidaron de sacar la raiz! y es la que está resurgiendo con mucha fuerza.” (Cortaram a árvore no nível do solo, mas se esqueceram de cortar a raiz! E eis que ela está ressurgindo com muita força).

Saindo da capital da província de Tucumán, na Argentina, em direção ao norte, mudam algumas paisagens. A capital é a única cidade grande da província e acumula uma população numerosa se comparada à extensão de território. É a cidade que mais cresce no norte da Argentina:  abriga quase 20% do total da população nortenha do país. Quase um milhão de habitantes em uma cidade com área de 90 km². Em volta de San Miguel, as cidades são pequenas e a área rural predomina no cenário. Cana de açúcar é o principal cultivo. Porém, em Amaicha, uma cidadezinha de poucos habitantes, há algo que se desprende dos atrativos econômicos e edificados. Lá estão as ruínas de uma parte da urbe da tribo Quilme, esta integrante do povoado dos Vales Calchaquíes.

-Paramos um pouco aqui, pessoal. Quero contar a vocês um pouco da história pra que vocês entrem lá com outros olhos.

Sebastian pára o seu jeep, que está mais na frente. Atrás, pára outro jeep e um carro. Todos descem em um ponto da estrada que liga  a cidade de Amaicha às ruínas.

-Tem troncos aí, se acomodem. Quem não quiser ouvir, por favor, segure-se um pouco para que os outros ouçam.

De fato, dos vinte e poucos turistas, digamos que metade ouve com atenção a Sebastian. Passa talvez meia hora de explicações acerca dos Quilmes. A fala impressiona pela quantidade de informações e pela tonalidade com a qual é falada. Sebastian tem sangue quilme.

-Quero que vocês conheçam o que chamo de “a outra história”. Não é aquela que os livros contam, é a que o povo quilme conta.

Quilmes: uma tribo pré-hispânica e pré-incaica. Habitavam o que hoje corresponde aos arredores de Amaicha. Faziam parte de um povo maior, o dos Vales Calchaquíes (região de montanhas e vales ao longo do norte andino da Argentina), os quais estavam espalhados entre as províncias de Tucumán, Salta e Catamarca. Estima-se que, na época de pico de população, chegaram entre sete e 10 mil habitantes. Perto da cidadezinha de Amaicha está parte do local onde moraram.

A cidade está a dois mil metros de altitude. Os cerros Calchaquíes dalí chegam a três mil metros. Quando se sobe, a respiração dificulta. E, hoje, se sobe para conhecer, sem muita pressa. O povo Quilme, quando em perigo, subia às pressas, com abastecimento de água e comida aos que estavam nos pontos de refúgio nas partes altas das montanhas. Ao pé dos vales se travavam as lutas entre os invasores e o povoado. De cima dos morros, mulheres e crianças, principalmente, assistiam aos combates sem poder fazer muita coisa.

Ah, mas eles deviam é tacar muita pedra daqui de cima, né… A imaginação, ao longo da subida, vai criando cenas e mais cenas da vida ali.

As primeiras invasões aos Calchaquíes aconteceram com a expansão incaica. Os incas estenderam-se ao território quilme em 1480 e permaneceram até a chegada dos espanhois. A conquista de terra no Império Incaico justificava-se pela necessidade de cada novo imperador renegar o que havia feito o anterior. Havia que criar suas próprias glórias e conquistas. Além disso, a expansão também se dá pelo fator de disseminação de uma ideologia, a incaica, tida como mais avançada em relação a outros povos andinos. Exércitos e sistemas complexos de administração política e econômica levaram adiante tal concepção.

-Os Quilmes eram politeístas, adoravam aos astros e acima de tudo à Pachamama – que é uma adoração de todas as comunidades alto-andinas  e que acontece em todo Andes. Se antes eram sociedades matriarcais e um dos principais deuses era a Lua, o inca introduz o sistema patriarcal e introduz um deus principal, o Tata Inti. O idioma foi algo forte e com resistência de introduzir. A língua original dos Calchaquíes foi o kakan. Os incas introduzem o idioma quéchua assim como o trabalho de metalurgia. Se perde a liberdade de trabalho, parte da tradição de colheita e todo tipo de produção ia a um império, a um deus, a um inca.

Antes da chegada dos espanhóis, como se nota, já havia conflitos entre os próprios povos originários. Houve sobreposição e mescla de culturas. E, ainda antes dos incas, os próprios povos já haviam travado conflitos. Algumas etnias são reconhecidas, através de trabalhos arqueológicos, por um poder essencialmente bélico. O Estado Tawantinsuyu, por exemplo, chegou a um grau de complexidade e abrangência tão grande, que estudos arqueológicos e antropológicos dizem ter sido uma espécie de modelo ao Império Incaico. Já possuía um território amplo (abrangia grande parte do Peru, Bolívia e partes do Chile e Equador), uma ideologia política, justificada por aspectos religiosos, uma população densa, um território grande, espaços para cultivos e desenvolvimento econômico, e aparato bélico de coerção, caso houvesse revoltas. Estas só ocorreriam em grande proporção na fase final do Estado de Tiwantinsuyo. Antes, a religião acabava acalmando a população: havia o pensamento de que tudo o que entregava aos governantes era em troca de uma aproximação aos deuses. Os governantes eram a ponte de ligação entre a terra e as divindades.

Os conflitos andinos, no entanto, eram locais e centravam-se em torno de problemas e modos de vidas semelhantes. Quando os espanhóis chegam ao território onde os Quilmes viviam, a imposição foi evidentemente de proporção maiore. A cultura européia gritava a superioridade e usava como bandeira o pretexto de missão civilizatória.

-A primeira invasão aos Calchaquíes foi a do inca. Os incas entraram nesta região nos anos 1480 e os 50 anos depois foram duros. Então entraram os espanhóis nos anos 1534 e aí vem por mais de 130 anos a resistência ao espanhol.

Sebastian, sempre em frente do grupo na subida ao cerro, pára em vários momentos para explicar um pouco do que se passou naquele chão. O ponto mais incrível, por estranho que se pareça, é quando ele pede um minuto de silêncio. Quando se chega ao ponto máximo da “trilha”, sentamos nas montanhas, sobre as pedras, e, a pedido de Sebastian, ficamos em silêncio. O vento gelado bate nos rostos e o silêncio começa a gritar. Calmo, um grito calmo. São pássaros e gemidos de ar. Aí que Sebastian conta das crenças do povo sobrevivente às invasões. Dizem que, lá em cima, quando em silêncio, se ouve no canto dos pássaros, no barulho de qualquer outro animal e em qualquer evento da natureza a manifestação dos Quilmes que morreram batalhando.

O povoado Quilme se consiste, hoje, em 60 famílias. A vida é de um estilo de autoconsumo. Além de artesãos, são agricultores e pastores de cabras e ovelhas. Tudo o que se produz é para autossuficiência. São ótimos artesãos de cerâmicas e tecidos, conta Sebastian.

Entrando na casa de uma dessas famílias, há mesas com cerâmicas em cima. Algumas recém terminadas, outras recém começadas. Os desenhos são símbolos dos povos indígenas andinos. Um dos desenhos é o suri, uma espécie de avestruz que tinha como habitat a região, mas que hoje está quase extinto pela caça. A cerâmica é de argila e os tijolos da casa são de adobe.

O quilme artesão parece acostumado com o turismo. Porém, quando é abordado com um interesse mais profundo sobre a questão povo-cultura, toma um brilho nos olhos e desenvolve uma conversa sobre tradições e história que transcendem o ‘contar’. Falar sobre o quilme, além de falar sobre o passado, é falar sobre o quanto é duro (e ao mesmo tempo questão de orgulho e adaptação) continuar resistindo, depois da derrota contra os espanhóis, a um tempo de mudanças climáticas onde os povos andinos são os mais afetados e a um mundo organizado sob os moldes do capital, que agride cada vez mais à Pachamama – a mãe terra.

Sobre o material das moradias, Sebastian diz que adobe é uma construção térmica – é feita de terra e folhas – é fácil de conseguir material e é fácil de trabalhar-lha.

Antes, as construções dos Calchaquies eram somente de pedra. Uma encaixada sobre a outra, em um trabalho minucioso e demorado. Quando se veem de perto, os encaixes não possuem uma falha sequer. Algumas são polidas e formam encaixes perfeitos, indicando métodos avançados para uma época remota. Outras, gigantes, formando muralhas nas alturas dos cerros, sugerem esforço e trabalho. Proteção, prevenção. Há ‘peças’ que parecem feitas de lego gigante. Ao pé do cerro, eram moradias, a parte urbana. Ao longo dele, muros de proteção e observação, paredes e caminhos.

– Subindo aos pontos mais altos, as montanhas são refúgios. As construções arqueológicas eram feitas só de pedras, as “pircas”. Pedra sobre pedra. É a técnica ancestral.

Refúgios, resistência. O povo quilme, quando da chegada espanhola, lutou o que pode na defesa de sua terra e de sua cultura. Foi uma resistência perduradora mas, quando o maior número de contingente e a mais “avançada tecnologia em armamentos” venceu, a amargura de um quase fim foi enorme. A população daquele lugar foi obrigada a marchar a uma região perto de Buenos Aires (hoje uma cidade chamada “Quilmes”, uma homenagem nada compensadora) e a outros locais. Na marcha a Quilmes, mais da metade dos indígenas morreram, vítimas da caminhada longa (são mais de 1000 quilômetros), da falta de comida e de descanso e, sobretudo, de desgosto. Muitos, ao chegar, juraram não ter filhos para que os descendentes não vivessem em uma terra que gritava a crueldade de um genocídio.

Hoje, as famílias que ainda vivem na região original da tribo Quilme tentam contar a história do povo de uma maneira crítica, passando a resistência dos “vencidos” para quem lá chega. A história oficial “não é a única, a do famoso dito ‘a história escrevem os que ganham’. E a minha é a do vencido, a que não é escrita, a que é de transmissão oral, dos arquivos de índios e dos novos estudos arqueológicos. É a de fornecer o outro lado, porque sempre nos deram um só lado, ao menos na minha escola”, diz Sebastian. 

AS (MAIS QUE) RUÍNAS DE QUILMES, pelo viés de Liana Coll
lianacoll@revistaovies.com

Para ler mais reportagens acesse nosso Acervo.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone
  • marcus coll

    A nescessidade de criar suas próprias conquistas e renegar o que foi feito pelos
    anteriores …… É a mesma estratégia dos governantes atuais.E já passaram mais
    de 500 anos.

    Reportagem maravilhosa!!!

  • Diosana

    Liana, belissíma a tua reportagem. Tudo o que escrevestes se resumi ao mesmo que senti quando estive nas ruínas.
    Em Amaicha, conheci Juan (dono de um hostal), ele nos contou que muita coisa foi mudada nas Ruínas de Quilmes para que mais turistas fossem atraídos. Isso é negado pela maioria, mas creio (com dor no coração) que seja verdade.

    “Gracias por los recuerdos y suerte en todo.”

  • http://revistaovies.com revistaovies

    Diosana, obrigada!
    E, sim! Realmente muita coisa foi mudada.. na verdade a parte do pé da montanha, a parte que mais atrai os turistas paras as “belas fotos” são reconstruções feitas pelos governos militares.
    É tudo com base onde, de fato, estavam as construções quilmes. E é tudo construído com as pedras que se acharam nas escavações..
    É uma reconstrução quase fiel, porém, como se sabe, também é usada como trunfo pela era militar..

    Bom, e na década de 90, numa era de privatizações, se construiu um hotel nas ruínas com uma piscina em pleno sítio arqueológico. O dono do hotel cobrava para as pessoas entrarem nas ruínas e toda a área alí estava nas mãos dele. A concessão para tal exploração das ruínas chegou ao fim e o senhor esse não saía de lá. Uma mobilização entre os povos bloqueou a estrada que liga Amaicha às ruínas e a outros pontos e, depois de pressão, o fim da concessão foi consolidado.. Ainda resta a piscina e o hotel.. deves ter visto que é um rasgo no meio de tanta história..

    Abraço, Diosana!

    Liana

    • Diosana

      É lamentável termos de conviver com isso, no entanto, nada nos tira a energia positiva de pisarmos naquela terra de tantas histórias e de tantos contadores de hisórias. Disso tenho certeza :)

      Realmente, do topo mais alto – de onde a vista é incoparável – deparei-me com tamanha contradição em meio à natureza, era a tal piscina.

      Mais uma vez, parabéns pela repotagem. Além de escreveres muito bem, transmitistes a energia e os sentimentos do lugar.

      Diosana.

  • Victor Miguel

    Compañera

    Que bello texto escribiste! De verdad que este viaje nos pone en un dilema: Puede el paisaje y la cultura de los quilmes ser más bella y compensar la triste história de ese pueblo?
    Se nos hace preguntar a nosotros mismos lo qué es ser civilizado?

    Me imagino que tu ya tenga una idea de lo que estoy hablando. Lo más importante es que la identidad Quilme sigue viva y aún resiste, en personas admirables como Sebástian.

    Beso!