NÃO POR ACASO

Ambientado numa São Paulo pulsante, onde o trânsito carrega o espectador para dentro de vias enérgicas, “Não por acaso” assume um papel que de início parece impossível com tal cenário. O intimismo e as contraversões da mente humana dão base a esta história. A trama gira em torno de Ênio, Pedro e Lúcia, interpretados por […]

A+ A-

Ambientado numa São Paulo pulsante, onde o trânsito carrega o espectador para dentro de vias enérgicas, “Não por acaso” assume um papel que de início parece impossível com tal cenário. O intimismo e as contraversões da mente humana dão base a esta história.

A trama gira em torno de Ênio, Pedro e Lúcia, interpretados por Leonardo Medeiros, Rodrigo Santoro e Leticia Sabatela. Não menos importantes, os coadjuvantes fazem as ligações entre todos. Rita Batata no papel de Bia, Branca Messina como Teresa e o filme guarda ainda participações curtas de consagradas atrizes do cinema, como Graziela Moreto e Cássia Kiss.

Além de uma história muito bem montada e angustiantemente real, imagens extraordinárias da grandiosidade paulistana impressionam. Vale a pena também ouvir o filme. A trilha sonora permanece mesmo após os créditos. E, se você assistir em DVD, o making off é essencial.

Filme: Não por acaso Ano: o mesmo de Saneamento Básico – O filme Direção: o mesmo do curta premiado em Gramado “Palíndromo” Produção: o mesmo de “Ensaio sobre a cegueira” e “Banheiro do Papa” Elenco: Letícia Sabatella de “Durval Discos”, Leornardo Medeiros de “Lavoura Arcaica” e Rodrigo Santoro de “Abril Despedaçado”

NÃO POR ACASO, pelo viés de Bibiano Girard e Felipe Severo

bibianogirard@revistaovies.com

felipesevero@revistaovies.com

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this pageEmail this to someone
  • Liana

    dicas de felipe e bibiano são sempre bem vindas! segui essa há um tempo e.. filmão!

  • Eduardo

    Vergonhosamente ainda não vi, mas se depender do Palíndromo, que assisti em aula, vou gostar. Aliás, se depender do diretor, e dos atores com exceção do Leonardo Medeiros, que já deu no saco, tem tudo pra me pegar, o “Não por acaso”.

    Sem contar que a personagem mais legal deve ser São Paulo (L), então, à revelia dos comentários destrutivos da Nana, coloquei na fila de “must-see”.

  • http://silvanadalmaso.blogspot.com Silvana

    Excelente produção brasileira. Delicado e forte ao mesmo tempo. O trânsito tem que funcionar, assim como a vida que não segue estratégias como as do jogo de sinuca. A imprevisibilidade da vida. A dor de uma perda. A busca por sentidos. Discordo do Eduardo porque acho que Leonardo Medeiros atua de forma muito verdadeira no filme.
    Bibiano e Felipe. Parabéns! Amei os créditos do filme.

  • nana colbert

    Edu, meus comentários não foram destrutivos, foram críticos.

    Você sabe que tenho gostos muito peculiares e sou extremamente crítica com a parte técnica, roteiro, direção e afins dos filmes. Simplesmente não consigo dissociar. E pra mim, Não Por Acaso pecou em praticamente tudo que havia para se pecar. À exceção da atuação de Santoro, sempre louvável.

    O cinema brasileiro tem muitas preciosidades, mas Não Por Acaso, definitivamente, não é uma delas. Para mim. 😉